sábado, 17 de setembro de 2011

30 livros em um mês - dia 1

E, pra não facilitar nada, o dia 1 é "o livro mais querido de todos os tempos". Vê lá se dá pra escrever sobre isso assim, sem pensar... "o mais querido"? Logo pra mim, que amo tantos.. que tenho medo de deixar algum triste...?


[pausa pra pensar, com as duas mãos sob o queixo pra pensar melhor]


Não vou saber, né. Não vou saber porque não tem um: depende. Depende da época da vida, depende da hora, depende da precisão. Então vou escrever sobre um que é fundamental, que foi fundamental e que determinou muita coisa: "Os doze trabalhos de Hércules", na versão do Monteiro Lobato. 


Lobato, é claro, merece pelo menos um post inteiro, se eu for explicar: mas não vamos nos dispersar - o foco agora é o livro. E lembro bem de quando comprei: foi numa feira de livros na escola, o Instituto Souza Leão, que era onde é hoje a Globo na rua Jardim Botânico - do lado do Parque Lage. Eram três volumes: meu primeiro livro em três tomos, cada um com quatro histórias. E, como era no Souza Leão, eu tinha no máximo sete anos. Sete anos e mergulhei, pela voz de Dona Benta primeiro, e, depois, acompanhada de Pedrinho, Emília e do Visconde - sem Narizinho, o que me deixava furiosa -, no encantamento da mitologia grega, de onde jamais saí. Onde estou mergulhada até hoje, pela via da astrologia e das literaturas. De pó de pirlimpimpim eles foram parar na Arcádia, na Grécia do tempo de Hércules. Emília foi logo ficando amiga do herói, a quem chamava de Lelé e que a carregava no ombro, como "dadeira de idéias". 


Ali conheci os deuses todos,  Pégaso, a Medusa, a hidra de Lerna e tantos outros. Ali aprendi sobre Apolo e sua pitonisa em Delfos, sobre o labirinto construído para abrigar o Minotauro (que aparece em outro livro,  só dele)... e li, reli, treli... comecei aos sete, e a última vez que li foi para  Felipe. Que tinha (juro) dois anos quando apresentei a ele o povo do sítio e os deuses gregos. Eu tinha acabado de me separar do pai dele, a gente tinha se abrigado na casa de prima querida até se assentar de novo, e  a galera do Sítio nos fez companhia por noites e noites. Até o final, quando se despediam de Hércules, Felipe caía no choro e eu dizia (nem um pouco chateada): "não tem problema, amor, a gente lê de novo". 


Li assim, de enfiada, para meu filho e companheiro de paixão, Os Doze Trabalhos umas três vezes. O que gerou um efeito engraçadíssimo: aquele pitoco de menos de três anos sabia de cor vários trechos do livro, e quando contava as histórias, usava o vocabulário de Lobato - com muitas gargalhadas de motoristas de táxi, de familiares, de garçons de restaurantes. Ele, nem aí. Eu, feliz por ter companhia nessa viagem. Que só de lembrar me faz sorrir. E cuja origem foi, claro, meu pai amante de livros, que me deu o primeiro Lobato da vida. Com conseqüências duradouras e imprevistas. Viva ele, em seu dia.

6 comentários:

  1. Viva ele. E viva os livros que nos levam por imprevistos caminhos. E viva este post tão generoso. Que bom tê-la na trilha.

    ResponderExcluir
  2. Claro que, enquanto escrevia, me vinha à mente a recente polêmica sobre Lobato. Mas decidi ser honesta com minha história e com minha memória: meu Monteiro Lobato é esse daí. Tal como contado aqui.

    ResponderExcluir
  3. Como vou dizer isso...? (dizendo, anta!) Nunca li Monteiro Lobato, a não ser aquela coisa horrorosa, racista que prefiro nem citar. Meu contato com ele foi já via televisão, na infância. Péssimo isso, eu acho. Mas é verdade. Me julguem.

    ResponderExcluir
  4. Adorava esse livro e ele foi, para mim também, a porta de entrada da mitologia.
    Abraços, Pádua

    ResponderExcluir
  5. Renata do céu. Bem vinda ao meme. Estou já no finalzinho, dia 27, acho. Mas eu preciso te falar que esse foi o meu livro do dia 03, o favorito da infância, e que há tanta semelhança entre nossos posts. Passa lá pra você ver: falei de quanto eu me ressentia da ausência da Narizinho na aventura, falei de que preciso ser honesta com o papel que Lobato teve em minha vida de leitora, apesar de tudo que li sobre ele depois, falei de que foi por ele que entrei no mundo da mitologia, nossa... adorei ler seu post, mas as semelhanças foram a cereja do bolo. :-D

    Beijocas
    Rita

    ResponderExcluir
  6. Padua, foi a entrada de muita gente, né...? (Tem uns que saíram depois...). E hoje, por conta dos contextos, é preciso lembrar disso também. Porque a história não é simples nem fácil, nem chapada.

    Rita, respondi lá no seu post do n°3! Adorei as coincidências...

    ResponderExcluir

Comente à vontade. Mas, caso você opte por comentar como "Anônimo", assine de alguma forma, por favor. Fica mais fácil responder.