domingo, 25 de setembro de 2011

30 livros em um mês - dia 5

E o de hoje, que eu demorei à beça pra definir, é "um livro que lhe faz sorrir".
Sorrio. :)
E o livro, que já foi, voltou, foi de novo e agora é, vai ser "84, Charing Cross Road". Que em português foi editado depois do filme - só isso justifica o ridículo título "Nunca te vi, sempre te amei". 
(Fabinho, essa pauta, depois da dos esmaltes, também é boa - quem redige os títulos de filmes em português, e sobretudo: quais são os critérios? Pauta de Piaui...).
Mas o livro: eu li depois do filme. No filme, Anne Bancroft e - pela primeira vez - Anthony Hopkins. Me apaixonei perdidamente pelas rugas em torno dos olhos azuis, e pelos subtons. E, apesar do cinema americano tê-lo maltratado tanto, não consigo não seguir apaixonada. Marcas na alma que se vêem nos olhos. 
Adoro livros epistolares: meu lado voyeur (mas quem não...?). Adoro cartas, escrever cartas, receber cartas. Uma prática em desuso, infelizmente. Se o computador tem a vantagem da instantaneidade, não dá pra não sentir saudade daqueles momentos de envelope fechado - de reconhecer a letra, de sentir o volume. Saber que a outra pessoa pegou naquele papel, ver as hesitações, o aproveitamento do espaço restrito, os desenhinhos às vezes. 
Cartas e livros. Por suposto. Como não me encantar com essa história real de gente que escreve cartas e compartilha a paixão pelos livros? Essa história delicada e duradoura, de amizade e solidariedade, que atravessa a guerra que um viveu e a outra não, que afeta a livraria Marks and Co. inteira, onde Helen Hanff - uma ariana, me diz São Google - se tornou pouco a pouco uma amiga de todos? E tudo a partir de um contato que tinha tudo para ser meramente funcional, meramente comercial...
O livro é composto das cartas. Cartas reais. O que dá um gostinho a mais, claro. Saber que aquelas pessoas não saíram da imaginação de nenhum poeta: a poesia tá no mundo pra quem tem olhos de ver. Uma delícia ver os pedidos tão pessoais de Helen, suas reclamações com eventuais edições insatisfatórias, as explicações e respostas do livreiro Frank Doel - primeiro sucintas e formais, depois mais e mais pessoais, sem nunca, no entanto, ultrapassar a invisível barreira do que pode ser dito em público. Acompanhar o envio dos pacotes durante a escassez da guerra, os agradecimentos do pessoal da livraria e da esposa de Frank - que confessou ter ciúmes dessa história, mas o que fazer diante de uma história tão bonita e verdadeira, e que, além do mais, não cruzava nenhuma das fronteiras que lhe teriam permitido esbravejar e se dizer traída? 
O livro contém, além das cartas que se encerram com a brusca comunicação do falecimento de Frank, o relato de Helen Hanff da sua visita a Londres, de seu encontro com a esposa e as filhas do livreiro. Como um p.s. à história. 
Uma delícia de livro. Que, só de lembrar, me faz sorrir.






10 comentários:

  1. Eu me encanto com filme, livro, Hopkins. E me encanto com seu jeito especial de ver o que há pra ser visto. Eu escolheria esse como um livro que me fez chorar, porque, ah, porque sou uma boba. Mais na frente no meu meme você vai ver o que eu acho das cartas. E, quem sabe, até topar escrever uma pra mim ;-)

    ResponderExcluir
  2. Que post lindo!!! A história do livro que te faz sorrir me fez sorrir por tabela. :)

    ResponderExcluir
  3. Eu não digo que a Lu é uma subversiva perigosa??? (CORRÃO!)
    Ela quer subverter esse novo internáutico e imediatista com "cartas". Como assim, fia? Já avisou os Correios? É bom se solidarizar com a greve lá, pra começar... Rá!!!

    ResponderExcluir
  4. A gente espera a greve acabar e começa uma correspondência temática, que tal mulheres?

    ResponderExcluir
  5. Eu topo! Em breve estarei na estrada e vocês receberão cartas do "estrangeiro". Chique isso, não? :P

    ResponderExcluir
  6. Usando a caixinha da Renata pra meus arroubos: vou cobrar d. Niara. Adoro receber cartas, postais, telegramas, o que for (uia, escapou o segredo).

    ResponderExcluir
  7. Ih, vou adorar! Formô, assim q acabar a greve dos correios a gente apresenta nossas letrinhas. Pq tem que ser à mão: não vale imprimir!

    ResponderExcluir
  8. Correndo ali me matricular no cursinho de caligrafia junto com a auto escola.

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho carteira (de motorista), mas não dirijo. Dia desses conto essa. Escrever, escrevo, apesar do meu calo ter diminuído muito. Mas ainda vou pra reunião com caderninho e não c notebuque.

    ResponderExcluir
  10. Claro que são cartinhas à mão, mulheres. E minha letra já não é a mesma, mas com gentileza e paciência vocês desvendam ;-)

    ResponderExcluir

Comente à vontade. Mas, caso você opte por comentar como "Anônimo", assine de alguma forma, por favor. Fica mais fácil responder.