domingo, 26 de junho de 2016

O bolo de bolo da Angélica

Desde que me entendo por gente, gosto de cozinhar. Gosto de cozinha, dos cheiros, das texturas, do calor do fogão.... de misturar sabores, de inventar novidades, de experimentar ideias. Só que minha praia é comida salgada. Comida "de sal", como dizem. Não sei fazer doce, e como meu paladar sempre foi mais pro salgado, não me faz falta. Eu gosto de comida mesmo.

Me veio de novo à mente a história que minha prima Roberta conta, da gente criança falando da casa da bruxa de Joãozinho e Maria. Ela diz que eu sonhava com uma casa cujas paredes fossem de carne de porco e o telhado de purê de batata. Não tenho nenhuma lembrança disso, mas faz todo sentido....

Dentre os doces, eu gosto dos menos sofisticados: pudim, bolo-de-bolo..... não sou chegada a caldas, recheios e quejandos. Um ou outro, pode ser: em geral sou básica. Aí que a receita de bolo da Angélica chegou, via Central do Textão, e logo se alojou no meu coraçãozinho: parecia tão fácil, não precisava bater claras em neve, "dar o ponto" de nada.... era pra mim.
Tô há dias querendo fazer, mas não tinha os ingredientes. Quando comprava um, via que outro estava faltando. O último foi o fermento - fiz uma encomenda à padaria só pra comprar fermento, e o rapaz não trouxe. Mais atraso. Hoje de manhã finalmente estava com tudo. E tem dia melhor do que domingo de manhã pra fazer bolo?

Aí vem uma reflexão astrológica: quem me conhece sabe que sou extremamente bagunçada. Sou, com uma exceção: a cozinha. Credito isso à minha casa VI preenchida por Virgem. Meticuloso, organizado, preciso: na cozinha, sou virginiana. Já contei aqui sobre lavar louça, uma atividade de que gosto em vários sentidos. Um deles é justamente esse: o da organização. Separo por categoria, limpo antes de começar, arrumo.... organizo no secador os talheres por tipo, numa sequência que beira o obsessivo ("faz mais sentido botar as colheres com os garfos, deixando as facas separadas, ou os talheres de cada tipo todos juntos?") : pois bem, cozinho do mesmo jeito. A diferença é que ,quando cozinho comida salgada, entra também uma parte de criatividade na história. Método mais criatividade. No caso do bolo, não: é seguir regras e organizar. 

Fiz tudo como manda o figurino. A Angélica dá boas dicas como essa de ligar o forno e untar a forma antes de começar. Mas já tinha separado todos os ingredientes na bancada da pia. Assim os ovos tiveram tempo de ficar à temperatura ambiente. Tirei o iogurte do copo-medida e lavei o copo, pra poder usar com as outras coisas. Peguei duas tigelas grandes e o batedor (manual). Pronto. Depois segui o passo-a-passo da receita, misturando os secos de um lado, os molhados do outro, mesclando os dois, deixando o fermento para incorporar no final, sem bater. Botei também uma pitada de sal, seguindo ensinamento da minha avó (sempre uma pitada de sal no doce, uma pitada de açúcar no salgado). Separei parte da massa pra misturar com chocolate (só tinha Nescau, aí foi tu mesmo). 

Aproveitei pra deixar a massa descansar um pouquinho e lavei os (poucos) utensilíos na pia. 
Aí botei no forno e rezei - não, vim conversar com o povo das redes. Não tinha tempo definido e pedi socorro: a resposta foi que eu deveria verificar a partir de uns 25 minutos. Esperei meia hora pra dar conta redonda, quando o cheiro do bolo já se espalhava pela casa. Enfiei o garfo e ele saiu sequinho.... Voilà!

Uma nova era começa, pressinto. Renata Boleira!

(mentira, continuo sendo dos salgados: mas ficou bem bom, fofinho toda vida, e estou absolutamente orgulhosa do feito.)

Gracias, Angélica!

foto meramente ilustrativa: mas o meu ficou assim!



12 comentários:

  1. também não sou boa de bolo, mas fiquei doidinha pra fazer esse...
    vou experimentar e te conto...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai por mim, Beth: esse não tem erro!
      Boa sorte!
      Beijos e obrigada pela visita!

      Excluir
  2. Nossa,que história legal!!
    Sou de doce e fazer bolo pra mim é terapêutico,alem do prazer de ver pessoas queridas apreciando.
    Gostei da dica da pitada açúcar,sabia não .
    Tem alguma explicação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, explicação não tenho, mas particularmente no caso dos doces, ressalta o sabor.
      Testa... beijo!

      Excluir
  3. que post ótimo, que bolo sensa e que maravilha de central que potencializa estas belezas. eu sempre curti o lance açúcar no salgado e sal no doce, bom saber que ando em boa companhia :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre. A Central trazendo coisas saborosas... :)
      Longa vida a ela.

      Excluir
  4. Gente, que delícia! ÁGua na boca. Se um dia eu conseguir fazer, venho aqui contar. BJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz mesmo. Não tem mistério... :) beijo!

      Excluir
  5. Ai, que delícia!! Pense numa pessoa feliz e orgulhosa: eu. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fora eu, né, com o sucesso do bolo. tinha quase metade quando eu saí hoje, quando voltei? nem migalha. e só um adola em casa. rsrsrs fase de crescimento é fogo.

      Excluir
  6. Nova era? Quem nunca levou bolo seu que acredite. eheheh
    Vou lá pegar a receita e tentar fazer um dia. Adoro bolos. Inclusive recheiados.
    Ah, o caso de açúcar no salgado, algumas vezes é pra cortar a acidez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :P
      Esse é muito fácil mesmo. E fica bem gostoso. Pra comer com café, não tem nada melhor.
      Beijos!

      Excluir

Comente à vontade. Mas, caso você opte por comentar como "Anônimo", assine de alguma forma, por favor. Fica mais fácil responder.