sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Em dia de Vênus, de uma súdita

Sexta-feira - vendredi, venerdi, viernes - é dia de Vênus. Dia de homenageá-la, pois. E eu sou de Vênus: touro, signo regido pela deusa Afrodite. 
A casa onde eu cresci era de Vênus: dois taurinos - meu irmão e eu - e duas librianas - minha mãe e minha irmã. O único que não era (meu pai virginiano) olhava para isso tudo com humor e algum distanciamento. Achava graça, não se misturava; mas gostava, ah, gostava.


Desde cedo, por conta dessa configuração aí, me coube observar as diferenças entre a Vênus libriana e a taurina: faces diversas da deusa.


 A Vênus de libra é estética até a raiz dos cabelos, até a ponta dos saltos. Harmonia, elegância, comedimento. Balanço de cores, de linhas: Vênus-decoradora, Vênus-estilista. Minha sobrinha Maria (mais uma libriana para o pacote) vendo televisão comigo: "Tia Tata, o batom daquela moça não combina com a roupa dela!". Eu, boquiaberta como sempre. Minha irmã libriana a chorar pelo quadro cujo azul não combinava com o vermelho do quarto dela. Eu, toda dos contrastes, pensando quem teria deixado aquele changeling na porta da minha casa. Quer dizer, pensaria isso, se não fosse minha mãe. Minha mãe e seu amor aos conjuntinhos, tão librianos. Minha mãe morena, horas diante do espelho: o tom certo de batom, o contorno, a base, as sobrancelhas. Minha primeira professora da arte da maquiagem. Só de olhar, aprendi quase tudo.


Já a Vênus taurina é sensação: a sensação da explosão de cores da primavera, que a gente tenta reproduzir na paleta, nos lápis de cor. A sensação das texturas dos pincéis, das tintas, do vermelho líquido e daquele mais opaco... sensação do paladar, claro. Muito. E eu até hoje tenho a mesma sensação quando cozinho e quando desenho: uma certa alegria interior, de ir pegando e misturando, harmonizando e contrastando, tons, matizes, sabores. Tudo junto e misturado. Não cozinho tanto, não desenho mais tanto: mas esse é meu melhor eu, o da criação alegre, o da brincadeira que gera: pratos e desenhos. Nunca ao mesmo tempo, mas quem sabe. 
Meu irmão taurino, mais contido, é tão parecido comigo e pouca gente sabe: só dois anos de diferença e a gente quase não precisava falar pra se entender. A gente no cinema, e bastava um: "você viu?" "você ouviu?" E o outro já sabia, porque a gente pensava tão parecido. A gente morou uma pá de tempo juntos, e funcionava tão bem: prioridades similares. O meu, o seu, o nosso, tão definidos. Meu irmão que sempre comprou anéis de prata, colares, com um  gosto tão certeiro que dói. Que já trouxe de viagem, vejam só, até batom de presente. Sem me perguntar. E - bien sûr - na mosca. Nossas feiras de sábado na General, e os almoços que a gente produzia. Prá gente, pros amigos, pra quem estivesse pela Moura Brasil, o apê era grande e sempre cabia mais um. E vinha.


O dia hoje é de Vênus, viva ela. O dia hoje é da gente, vamos aproveitar. Lindamente aproveitar.









5 comentários:

  1. Sou uma capricorniana até a raiz do cabelo (capricórnio, ascendente em capricórnio e lua em câncer). mas nasci numa sexta-feira, na última de 1971. É o meu dia preferido. Tem um quê de promessa, de felicidade à espreita, à espera, não sei explicar, só rola se te jogas, se estiveres disponível. Nem sempre estou, mas sinto diferente esse dia.

    ResponderExcluir
  2. que lindo isso... "tem um quê de promessa, de felicidade à espreita". E vc é muuuito capricorniana mesmo... e, como toda boa capricorniana, tem um quê de canceriana... o miolo molinho e tenro por trás da carapaça... equilíbrio exíge! Beijos, boa sexta pra ti. E... acabou a greve! Pode mandar endereço por DM ou email. Cumpro minhas promessas. E essa, aliás, é sua. =)

    ResponderExcluir
  3. Me mudo domingo. Aí mando endereço novo (ainda não sei). ;-)

    ResponderExcluir
  4. iiiii acho que sou um taurino com Vênus libriana (não pense em ascendente pq também é tauro). Vai saber.
    Mas, agora, ficou claro pra mim esta facilidade taurina de ser amigo de librianos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Touro, asc touro, mas lua em Virgem: a lua em Virgem tem um quê disso, sóbria, elegante, dá esse comedimento que falta aos taurinos básicos. Daí, acho, a afinidade com librianos...
      (Demorei três anos pra responder, mas agora sei! ;) )

      Excluir

Comente à vontade. Mas, caso você opte por comentar como "Anônimo", assine de alguma forma, por favor. Fica mais fácil responder.